Ads Top

Quais os critérios para se nomear corpos celestes?


Ao se deparar com o nome de um astro, pode-se verificar que há muita diferença entre os nomes dos objetos. Até aí isso faz algum sentido. Mas porque há tanta diferença quando encontramos e comparamos, por exemplo, um planeta com um nome trivial, compreensível e de fácil memorização, com outro planeta que tem um nome mais parecido com um item de uma peça que está no estoque de uma fábrica? 

Astrônomos vem dando nomes a objetos celestes desde a antiguidade. Assim, já foram estabelecidos uma quantidade considerável de critérios para nomeação. 

Mesmo sem terem pleno conhecimento do que se tratava, povos de épocas passadas nomearam os planetas visíveis a olho nu. Cada qual da forma que era conveniente. Por exemplo, os nomes que utilizamos atualmente para nomeá-los remonta da época do Império Romano. Os Romanos homenagearam os planetas com os nomes de seus deuses: Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno. Já os planetas gasosos mais exteriores do Sistema Solar - Netuno e Urano - foram descobertos apenas no século XIX. Netuno homenageia um deus romano, enquanto que Urano, um deus grego. 

Após a convenção promovida pela UAI em 1922, criou-se um padrão. Exoplanetas pode ter seu nome formado por um prefixo e um sufixo, cada parte apontando para algo relacionado a sua descoberta. Exoplanetas podem ter a primeira parte de seu nome associado à sua estrela hospedeira, ao instrumento de observação que o detectou (assim como TRAPPIST, Kepler, entre outros), a projetos e campanhas astronômicas. A segunda e última parte diz respeito à ordem em que ele foi descoberto em seu sistema planetário, iniciando com a letra "b". Nosso exemplo para esse caso é 51 Pegasi b. Aqui temos "51 Pegasi" como sendo o nome da estrela hospedeira e o sufixo "b", apontando para o primeiro planeta descoberto orbitando essa estrela.

Quando se trata de nomeação de estrelas, podemos verificar vários critérios, sendo que alguns desses foram criados por astrônomos antes mesmo de existir a UAI. Esses nomes podem fazer referência à constelação da qual a estrela faz parte, ao catálogo em que ela foi registrada, ao ano de sua descoberta, às coordenadas em que é localizada no céu, enfim... Com a infinidade de estrelas que existem, muitos nomes acabam sendo uma grande mistura de siglas e números. A estrela SDSSp J153259.96-003944.1 tem esse nome por causa do projeto astronômico que a detectou (SDSS é a sigla do projeto Sloan Digital Sky Survey) e de suas coordenadas no céu.

Outros objetos como nebulosas, galáxias, meteoros, cometas, entre outros também têm seus critérios. Mas alguns astros já receberam nomes comuns e de fácil identificação. Eles são sugeridos à UAI por astrônomos, observatórios e clubes de astronomia ou escolhidos por votação do público. Em uma votação realizada no ano passado, por exemplo, pessoas do mundo todo ajudaram a nomear 14 estrelas e 31 exoplanetas. Dentre eles, o planeta PSR 1257+12 c foi chamado de Poltergeist, um nome alemão dado a seres sobrenaturais, e o sistema da estrela mu Arae homenageou o livro “Dom Quixote de la Mancha”, do escritor espanhol Miguel de Cervantes: a estrela chama Cervantes e os planetas receberam os nomes dos personagens Quixote, Dulcineia, Rocinante e Sancho.

Há uma página na internet que vende nomeação de crateras em Marte. Isso é feito visando a arrecadação de fundos para pesquisas.



Referências: 

[Edição: difurlan1]

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.