Ads Top

Procurando por alienígenas que já sabem que nós estamos aqui

Astrônomos sugerem que futuras buscas por alienígenas se concentrem na parte do céu em que observadores distantes possam notar o trânsito anual da Terra em frente do Sol, assim como fazemos hoje com planetas extrassolares.


Estamos sozinhos no universo? Para responder a essa questão, astrônomos tem utilizado uma variedade de métodos nas décadas que já se passaram para procura de planetas habitáveis e por sinal de observadores extraterrestres.

A primeira parte dessa aventura tem obtido muito sucesso: mais de 2 mil planetas ao redor de estrelas distantes - os chamados exoplanetas - foram enccontrados. A segunda parte, a procura por inteligência extraterrestre (SETI) não deu resultados ainda.

Talvez a estratégia da procura não tem sido eficiente até agora, disseram pesquisadores do Instituto Max Planck for Solar System Research (MPS), em Göttingen, Alemanha, e da Universidade McMaster, no Canadá. Eles sugeriram que pesquisas futuras poderiam focar na parte dos céus em que observadores distantes de nós pudessem ver o trânsito da Terra ao redor do Sol.

Observadores posicionados neste local poderiam descobrir a Terra com a mesma técnica que nós utilizamos para descobrir planetas extrassolares. De acordo com os pesquisadores, a probabilidade de extraterrestres já terem nos enviado um sinal é muito alta nesta parte do céu.

Esta estratégia reduz a região que carece ser pesquisada para 2% do céu, o que reduziria drasticamente o total de dados a serem analisados.

Quando um planeta passa em frente de sua estrela hospedeira, ele causa uma pequena diminuição do brilho dela. Então a esse fenômeno nós damos o nome de "trânsito" e ele pode ser medido, o que também depende do tamanho do planeta e da sensibilidade do instrumento.

De fato, o maior exoplaneta conhecido até agora foi descoberto através desse método. Uma técnica similar, chamada espectroscopia de trânsito, deve possibilitar no futuro astrônomos procurarem por indicações de vida nas atmosferas de exoplanetas.

Os dois pesquisadores identificaram a região no céu onde uma pessoa veria os trânsitos a menos da metade da distância do centro da estrela. [Então eles teriam que ver um exoplaneta passando na frente da estrela (trânsito), enquanto ele está menos da metade da distância do centro da estrela].

O sistema exoplanetário que oferece essa visão estão todos localizados em uma pequena fatia do céu, a projeção da órbita da Terra ao redor do Sol (elíptica) na esfera celeste. A área dessa faixa é de apenas 2 milímetros de todo o céu. 

"O ponto chave dessa estratégia é que ela limita a área de procura a uma pequena parte do céu. Como consequencia, esse tipo de procura pode abreviar o tempo para se descobrir se há ou não astrônomos extraterrestres que já encontraram a Terra. Eles podem ter encontrado a atmosfera biogênica da Terra e começaram a tentar contato com quem estiver ouvindo por aqui," disse René Heller do MPS.

Nem todas as estrelas são boas hospedeiras para receber vida extraterrestre. Quanto mais massiva é a estrela, menos chances de existir vida ao redor dela. No entanto, estrelas com vidas extensas são consideradas hospedeiras adequadas para se procurar por vida inteligente ao redor delas. Assim, os pesquisadores reuniram em uma lista estrelas que oferecem boas chances de hospedar formas de vida evoluída, ou vida inteligente. Os pesquisadores compilaram uma lista de 82 estrelas próximas parecidas com o nosso Sol que satisfazem os critérios por eles abordados. Este catálogo pode servir como uma lista de alvos para o SETI.

Mas astrônomos estão longe de conhecer todas as estrelas da Via Láctea. Quanto mais distante uma estrela está, mais fraco é seu brilho para nós. E as menores estrelas, as que tem vida longa, são fracas por natureza. Para estimar quantas estrelas a mais que as 82 próximas poderiam residir também na zona do trânsito planetário, Heller e seu colega canadense Ralph Pudritz projetaram uma esfera celestial em um modelo de densidade estelar de nossa galáxia. O resultado: Em torno de 100.000 estrelas próximas poderiam hospedar planetas com habitabilidade que poderiam já ter nos descoberto e que poderiam estar tentando contato conosco. 

Uma parte desses planetas podem ser descobertos com a Missão Plato, da Agência Espacial Européia, agendada para 2024. René Heller, da MPS também está envolvida na missão. A Missão Plato utilizará o método de trânsito para encontrar planetas pequenos, alguns deles possivelmente "parecidos com a Terra", ao redor de suas estrelas. 

"Plato deve detectar trânsitos de exoplanetas, onde possíveis habitantes poderiam ver o trânsito da Terra em frente do Sol," disse Heller. "Uma técnica tão excêntrica possibilitaria tanto eles quanto nós observar os planetas de ambos."


Fonte: http://www.astronomy.com/news/2016/03/searching-for-aliens-who-already-know-were-here

[Tradução: @difurlan1] 
[Apoio: Chrissy Sparks]

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.