Ads Top

Lançamento da sonda OSIRIS-REx

Um foguete Atlas V traçou um arco de fumaça no céu da Florida na tarde do dia 9 de Setembro de 2016, para enviar um pequeno robô explorador para um asteroide numa missão que cientistas anteciparam para revelar respostas a respeito das questões fundamentais sobre o nosso sistema solar.


“Esta noite é uma noite para celebração, nós estamos a caminho de um asteroide,” disse Ellen Stofan, cientista chefe da NASA. “Nós estamos a caminho de responder algumas das perguntas fundamentais que a NASA trabalha para responder.” 

Decolando da plataforma de lançamento as 7:05 p.m no Centro Espacial Kennedy da NASA na Florida, o lançamento do foguete – com instrumentos de interpretação de espectro e algoritmos inteligentes de exploração, assim como os algoritmos da sonda Curiosity – foi agendado para pôr a sonda OSIRIS-REx na trajetória exata de encontro com o asteroide Bennu em Agosto de 2018. 


Queimando uma combinação de querosene refinado chamado RP-1 e oxigênio líquido e carregando um único impulsionador (booster) de combustível sólido, o primeiro estágio do Atlas V 411 empurrou o foguete pela baixa camada densa da atmosfera, depois o segundo estágio do foguete apelidado de Centaur entrou em ação acelerando ainda mais rápido a OSIRIS-REx. Em aproximadamente 55 minutos depois do lançamento, a sonda se separou do Centaur (que usa oxigênio líquido e hidrogênio líquido como combustível) para voar livremente.

OSIRIS-REx vai fazer uma ultrapassagem pela Terra no próximo ano para ganhar uma assistência gravitacional que vai acelera-la ainda mais rápido para alcançar o asteroide Bennu, onde a sonda vai começar a orbita-lo. Uma vez orbitando o asteroide, OSIRIS-REx vai gastar 2 anos analisando-o e obtendo detalhes sem precedentes.

Depois a sonda vai coletar uma amostra material da superfície do asteroide usando um braço robótico. Apesar de a amostra ser muito pouca – aproximadamente um quilograma – isso vai ser uma capsula do tempo carregando informações valiosas sobre a formação do nosso sistema solar. Com a amostra bem guardada, a sonda vai se distanciar do asteroide e manobrar uma trajetória de retorno para a Terra.

“Isso representa as esperanças e sonhos e sangue, suor e lágrimas de milhares de pessoas que estiveram trabalhando duro neste projeto por anos,” disse Dante Lauretta, o principal investigador da OSIRIS-REx na Universidade de Arizona. “Eu não encontro palavras para expressar o quanto eu estava feliz nesta tarde, pensando em todas as pessoas que contribuíram para este feito.”

Perto da atmosfera da Terra em 7 anos no futuro, a capsula contendo a amostra equipada com um escudo térmico vai se separar da sonda OSIRIS-REx para entrar na atmosfera da Terra. Um paraquedas vai reduzir a velocidade da capsula para que ela possa tocar a superfície em segurança, depois pesquisadores irão examinar a preciosa carga tirada diretamente de um asteroide.

Em missões anteriores da NASA, pequenas amostras de um cometa e átomos coletados a partir dos ventos solares foram capturadas e retornadas para a Terra. Centenas de quilogramas de rochas da lua foram retornadas para a Terra por astronautas durante seis missões Apollo de 1969 a 1972. Todas essas amostras são administradas pelo Centro Espacial Johnson da NASA em Houston, que também vai administrar a maioria do material que a OSIRIS-REx coletar; uma pequena porcentagem da amostra vai ser enviada para parceiros internacionais, a agência espacial Japonesa e Canadense.

Este voo é o terceiro do Programa Novas Fronteiras da NASA (New Frontiers Program). Os dois primeiros – Novos Horizontes (New Horizons) e Juno – já têm feito contribuições para o estudo do sistema solar exterior e ainda estão operando.

“Nós continuamos atirando sondas para fora da Terra e hoje à noite nós vamos atirar isso para fora do planeta,” disse Jim Green, diretor da Divisão de Ciência Planetária da NASA (NASA’s Planetary Science Division).


O Programa de Serviços de Lançamento da NASA, localizado no Centro Espacial Kennedy da NASA na Florida, gerenciou o lançamento para a agência. O Centro de Voo Espacial de Goddard da NASA em Greenbelt, Maryland vai proporcionar um gerenciamento total da missão, sistema de motores e segurança e garantia para a sonda OSIRIS-REx. Dante Lauretta é o investigador principal da missão da Universidade de Arizona. Lockheed Martin Space Systems (LMSS) em Denver, construiu a sonda. OSIRIS-Rex é a Terceira missão do Programa Novas Fronteiras da NASA. O Centro de Voo Espacial de Marshall da NASA em Huntsville, Alabama, gerencia o Programa Novas Fronteiras para a Missão de Ciência da Agência de Direção de Washington.


Fonte: NASA


[Tradução e Adaptação: @jonathantorres19]

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.